Criada a Associação das Cidades Históricas do Espírito Santo


De: Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Secretaria de Cultura
Texto: Priscilla Contarini| Foto: Fabricio Lima
Criado: 12 de agosto de 2019

Mais de 200 pessoas participaram da conferência e criação da Associação das Cidades Históricas do Espírito Santo, para a qual foi eleito como presidente o prefeito Max Filho.  O evento foi realizado no último sábado (10), na Academia de Letras de Vila Velha, localizada na Prainha.
 
Na ocasião, também foi assinado o termo de adesão de Vila Velha à Conferência Nacional dos Municípios. Durante todo o encontro, especialistas debateram aspectos da história de Vila Velha e do Espírito Santo. O objetivo foi compartilhar o conhecimento sobre patrimônio histórico da cidade, além de incentivar a cultura e promover o turismo.
 
"É uma proposta de interação de esforços no sentido de que cidades históricas do Espírito Santo possam se unir, se reunir, traçar planos e metas para valorizar o nosso patrimônio histórico, cultivar nossa memória e para podermos elaborar projetos de captação recursos juntos”, ressaltou o prefeito Max Filho.
 
E completa: “A história precisa ser preservada e celebrada. Para que possamos, com isso, revitalizar distritos turísticos, como a Prainha, em Vila Velha, que têm patrimônios tombados. O Espírito Santo é um berço de história”.
 
O prefeito de Santa Tereza, Gilson Amaro, considerou a conferência de extrema importância. "A preservação e lembranças do passado nos trazem resultados positivos. Em Santa Tereza, por exemplo, temos hoje uma economia solidária muito boa e trabalhamos para manter viva a cultura de 145 anos de colonização italiana no município. Estamos também criando um sítio histórico na rua Henrique Bonfim, a Rua do Lazer. Iremos manter os sobrados antigos e estamos hoje aqui para contribuir”, pontuou.
 
Fazendo coro, o prefeito de Muqui, Carlos Renato Prucoli, ressaltou que a união entre os municípios é muito importante. "Esse resgate histórico é uma forma de valorização. As cidades viveram ciclos diferentes, mas produziram o seu histórico para construir o Espírito Santo", afirmou.
 
Mario Augusto Ribas do Nascimento, presidente da Organização das Cidades Brasileiras do Patrimônio Mundial, afirma que o maior objetivo do evento foi criar a Associação das Cidades Históricas do Espírito Santo.
 
“Essa associação vai congregar todos os municípios que têm patrimônio cultural no Estado do Espírito Santo. A intenção é desenvolver políticas públicas para fortalecer a cultura e o turismo, de forma integrada e, desta forma, possibilitar o desenvolvimento social e sustentável, além de atrair recursos públicos e privados. É necessário nos organizar, alavancar parcerias para se desenvolver", ressaltou.
 
Na conferência, também foi eleita a primeira diretoria da Associação das Cidades Históricas do Espírito Santo. Foram compostas câmaras temáticas que irão trabalhar assuntos específicos, como: infraestrutura, meio ambiente, patrimônio histórico, entre outros.
 
Para o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, André Almeida, Vila Velha têm impulsionado a cultura local e valorizado a sua história. "Isso é reconhecer que estes são ativos que pertencem ao município e que podem trazer retorno por meio da visitação e fortalecimento do turismo", ressaltou.
 
Por sua vez, o secretário municipal de Cultura, Alvarito Mendes, pontua: "Temos os pontos turísticos mais visitados do Estado aqui em Vila Velha. E estamos aqui presentes para a iniciativa de preservação, recuperação e divulgação desse rico patrimônio".
 
O Espírito Santo é um dos estados mais antigos do Brasil e Vila Velha foi a terceira cidade a ser criada, destacou o subsecretário de Cultura, Eliomar Mazoco.
 
"Nós temos um patrimônio colonial maravilhoso em todo o Estado. Esse evento, com o apoio da Confederação Nacional dos Municípios e da Organização Brasileira de Cidades Históricas, é fundamental para que a gente possa ter acesso a verbas para o desenvolvimento do nosso patrimônio, cultura e identidade capixaba".
 
O deputado estadual Hércules Silveira também esteve presente no evento, que durou todo o sábado, e pontuou: "Na verdade é muito importante este evento, pois aqui na Prainha é que começou o Espírito Santo. Quero dar os parabéns ao prefeito de Vila Velha e a toda a sua equipe por este incentivo e por resgatar essa história tão importante para nosso Estado e nosso município", afirmou.
 
Para o professor de Paleografia e diplomática da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) João Eurípedes Franklin Leal, o encontro é uma atitude de coragem e sabedoria.
 
“Coragem, pois os problemas vão existir, mas sabedoria porque é um caminho novo para todos os municípios que têm muito a mostrar e atrair pessoas para visitá-los”, ressaltou.
 
Márcio Antoneli, artista plástico e produtor cultural, achou extremamente importante o evento. “A relevância cultural e histórica da Prainha é realmente muito grande. Estamos onde aportaram os portugueses", destacou.
 
O evento foi realizado pela Prefeitura de Vila Velha, por meio da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (Semdec) e da Secretaria Municipal de Cultura (Semcult), com o apoio da Confederação Nacional dos Municípios e da Organização Brasileira de Cidades.
 
Além do prefeito Max Filho, estiveram presentes no evento: o presidente da Organização das Cidades Brasileiras Patrimônio Mundial, Mário Augusto Ribas do Nascimento; a técnica em Turismo da Confederação Nacional de Municípios, Marta Feitosa Lima; o presidente da Associação das Cidades Históricas de Minas Gerais, José Fernando Aparecido; o prefeito de Santa Tereza, Gilson Amaro; o prefeito de Muqui, Carlos Renato Prucoli; o deputado estadual Hércules Silveira.
 
Além de secretários e subsecretários municipais, representantes dos municípios de Linhares, Aracruz, Cariacica, Cachoeiro de Itapemirim, Guarapari, Conceição da Barra, Rio Novo do Sul, Viana, Guaçuí, Presidente Kennedy, Dores do Rio Preto marcaram presença, assim como historiadores, pesquisadores, artistas.




SERVIÇOS PARA


ACESSO RÁPIDO